Desde: 26.10.2020. Atual: 01.11.2020

Compilação sobre “pensamento conceitual” em obras de Vigotski

Org. Achilles Delari Junior

Achilles Delari Junior — pesquisador independente em psicologia

Contato: delari.base@gmail.com

Início

Produção independente

Pesquisa aberta

Para a prática terapêutica 

Traduções voluntárias

Partilha de arquivos

Seção 3

Sobre a primazia de “sistemas conceituais” sobre “conceitos específicos”

Item 3.1

[ topo ]

Elaborações de Vigotski

frag_3.1-01 |

O conceito como “célula” o sistema de conceitos como “tecido”

Vigotski, noutro lugar (1934; 1934/2001, p. 000; 1934/2007, p. 000), recorre a uma analogia entre o significado da palavra ou palavra significativa e uma célula viva no contexto da discussão metodológica sobre a “análise por unidades” para o estudo da consciência. Contudo, compreende-se que  a “unidade” é apenas o componente da análise que não pode mais ser decomposto. Cabe considerarmos que “analisar” continua sendo “dividir” e não é “unificar” tudo em um só ponto. Houvesse tal possibilidade teríamos uma “unidade de síntese”, não “unidade de análise”. Na citação compilada logo abaixo, podemos notar que uma “célula” não simboliza uma unidade auto explicativa, visto que só pode cumprir sua função como componente de um “tecido vivo”. O qual é tomado como metáfora de todo “sistema conceitual”. Do ponto de vista metodológico, a célula separada do tecido perde a vida... Não representa mais as contradições do todo. 



“Todo conceito é uma generalização. Isto foi estabelecido com absoluta certeza. Mas até o momento operávamos, em nossa investigação, como conceitos soltos e isolados. Entretanto, surge por si mesma a pergunta sobre que relação estabelecem os conceitos entre eles. Como um conceito isolado, esta pequena célula que arrancamos da totalidade do tecido vivo, se entrelaça e se insere no sistema de conceitos infantis, exclusivamente dentro do qual pode surgir, viver e desenvolver-se?” (Vigotski, 1933-34/2007. Pensamento e linguagem. Cap. 6. Ed. argentina – tradução nossa)

frag_2.1-n |

Trazer de “Pensamento e linguagem” - capítulo 6

[ topo ]

Vigotski, no cap. 6 de “Pensamento e linguagem” [Мышление и речь], reconhece que um dos limites do estudo do desenvolvimento dos conceitos pela via do método dos “conceitos artificiais” (com Sakharov) teria sido não tratar dos conceitos com relação a um “sistema conceitual”.

“Проблема системы является центральным пунктом всей истории развития реальных понятий ребенка, которую никогда не могло уловить исследование экспериментальных искусственных понятий”. 


“O problema do sistema é um ponto central de toda história do desenvolvimento dos conceitos reais da criança, o qual a investigação experimental dos conceitos artificiais nunca pôde captar”. (Vigotski, 1933-34/1934, p.  237 - trad. minha, ADJr.)



frag_3.1-02 |

Trazer de “Pensamento e linguagem” - capítulo 6

[ topo ]

Vigotski entende que Piaget, ao estudar o pensamento de crianças, não contemplou seus conceitos em articulação sistemática. Restringiu-se aos pensamentos não sistematizados [nesistematizirovaniе misli], para daí estabelecer leis para a lógica infantil [detskaia loguika]. Contudo “apenas em determinado sistema de relações de identidade entre os conceitos” (Vigotski, 1933-34/1934, p. 195; 1933-34/ 2001, p. 293 – grifo meu, ADJr) é possível à criança:

“ser sensível à contradição [protivoretchie]” [entre juízos]*

“sintetizar logicamente juízos [sujdeniia]” [não só seriar]; e

“dispor de possibilidades para dedução [deduktsiia]”.


“Na ausência de tal sistema, todos esses conceitos devem necessariamente surgir como um disparo depois que se aperta o gatilho de uma arma carregada.” (Vigotski, 1933-34/1934, p. 196; 1933-34/2001, p. 293 -grifo meu, ADJr)




Um exemplo da “ausência de sensibilidade à contradição” entre juízos seria a mesma criança enunciar, em diferentes contextos, os dois seguintes juízos: “um glóbulo [sharik] se dissolveu na água porque era pequeno” e “um glóbulo [sharik] se dissolveu na água porque era grande”. Ela não percebe a incongruência porque não tem conceito mais amplo que permita confrontar os dois juízos. Talvez o conceito de “solubilidade”?